Arthur C. Clarke, a lenda

Hoje morreu o Arthur C. Clarke, um dos escritores mais menosprezados pelo povo artê – e ao mesmo tempo, um dos mais relevantes dos últimos 100 anos. Clarke deu o impulso intelectual para o programa espacial americano, e ajudou a dar o tom da psicodelia dos ano 60 ao escrever 2001 (o roteiro do filme e o livro, diga-se de passagem).

Clarke vai ser enterrado no Sri Lanka, onde ele estava recluso, mas vai passar para a história como um visionário e um dos homens mais ligados com o seu próprio tempo. Acho que minha formação intelectual deve muito ao fato de eu ter sido um fã de ficção científica quando era guri, e ter visto 2001 certamente ajudou a formar meu caráter cínico e fora da realidade.

Para a frase lugar-comum do dia: Arthur C. Clarke não morreu, virou poeira espacial e agora se move para o lado escuro da lua. Certamente, como coloca o físico entrevistado pela CNN aqui, é o único escritor da nossa geração que pode ser comparado ao Julius Verne.

Um pequeno vídeo do Clarke no aniversário de 90 anos, ano passado:

AddThis Social Bookmark Button

Comments
One Response to “Arthur C. Clarke, a lenda”
  1. Ferrari disse:

    Pôxa, não sabia que tu gostava tanto do Clarke.

    Do trio de ouro da ficção científica (Asimov, Heilen e Clarke) ele era o que eu tive menos contato (só li 4 livros dele), mas acho que era o mais adulto e desenvolvido deles. Assim como o Asimov, realmente acreditava naquilo que escrevia; mas transformava seus mundos em coisas muito mais próximas cronologicamente que os demais autores.
    Não só pela ficção científica em si, mas acho que o Clarke foi providencial para a geração cyberpunk, e, por que não, no retorna da fantasia. Sem falar que era o maior gênio da verossimilhança que já foi publicado.
    Assim como os outros do trio, participou ativamente da II Guerra Mundial, e foi o único que se negou a usar seus conhecimentos científicos (e sua obra) para a Guerra Fria (Asimov via de regra se calava e Heilen adorava qualquer tipo de conflito). A humanidade em suas obras era quase uma sociedade digna de Stanislaw Lem; pacífica, com problemas mais de ordem filosófica do que bélica ou econômica.

    Nem todos os bons morrem jovens.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: